Use este identificador para citar ou linkar para este item: http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/3594
Título: Os impactos econômico-financeiros do ressarcimento ao SUS para as operadoras de planos de saúde
Autor(es): Costa, Jéssica Caeiro de Souza
Palavras-chave: saúde suplementar;  plano de saúde;  ressarcimento;  Sistema Único de Saúde;  impactos econômico-financeiro;  regulação
Data: 2018
Editor: Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS)
Resumo: O acesso à saúde no Brasil pode ser realizado pela rede pública, através do Sistema único de Saúde (SUS) e/ou pela rede privada, por meio do desembolso direto em hospitais e demais prestadores particulares, ou ainda, através da aquisição de planos de saúde oferecidos por Operadoras de Planos de Saúde (OPS). O uso concomitante das duas redes assistenciais por parte dos beneficiários de planos de saúde tornou necessária à instituição do processo de ressarcimento ao SUS. Este determinou que as Operadoras de Planos de Saúde passassem a ressarcir ao SUS, quando houvesse a utilização de seus beneficiários em rede pública referente a procedimentos cobertos pelo plano. O ressarcimento ao SUS passou então a compor legalmente as obrigações das Operadoras de Planos de Saúde. Neste contexto, o presente estudo buscou analisar os impactos econômico-financeiros causados por este processo. Para isso, foram analisadas as informações contábeis de uma amostra de 757 OPS de assistência médico-hospitalar em 2014, sendo este, o exercício mais recente com dados disponíveis de ressarcimento ao SUS. Esta análise foi realizada a fim de mensurar o impacto do ressarcimento ao SUS nas obrigações, contabilmente registradas no passivo, nas despesas assistenciais líquidas e na margem de lucro líquida que, para fins deste estudo, consistiram nos impactos econômico-financeiros. Além disso, para avaliar o comportamento dos beneficiários que utilizam o SUS, também foram analisadas informações referentes às utilizações destes usuários. Os resultados demonstraram que o ressarcimento ao SUS representa, em termos percentuais, valor pouco significativo no passivo, nas despesas assistenciais líquidas e na margem de lucro líquida. Ademais, constatou-se a maior representatividade do ressarcimento ao SUS foi evidenciada nas operadoras classificadas como Filantropias.
URI: http://repositorio.enap.gov.br/handle/1/3594
Aparece nas coleções:Publicações Parcerias: Monografias Premiadas

Arquivos associados a este item:
Arquivo Descrição TamanhoFormato 
2ª colocada (T1) - Jéssica Coeiro de Souza Costa (monografia 025).pdfOs impactos econômico-financeiros do ressarcimento ao SUS para as operadoras de planos de saúde2,12 MBAdobe PDFThumbnail
Visualizar/Abrir